Série: A alegria do Senhor é a nossa força (Filipenses)

Texto 2: Filipenses 2.1-30

Neste capítulo 2 da carta aos filipenses, Paulo aborda um outro fator promotor de descontentamento na vida. Não são apenas as circunstâncias inesperadas, adversas e tempestuosas que tentam roubar a alegria do coração do crente em Jesus. O outro tema desta epístola diz respeito aos relacionamentos.

2. O LADRÃO DA ALEGRIA: RELACIONAMENTOS EM CONFLITOS
Paulo aborda nestes trinta versículos do capítulo dois o tema dos relacionamentos conflituosos. Eles são significativos para gerar o roubo da alegria no coração. Paulo cita a necessidade de se ter o mesmo sentimento, de nutrir o mesmo pensamento. Também apresenta o exemplo de humildade e esvaziamento de Cristo que sendo Deus se fez servo. Tudo isso com um propósito: lembrar a algumas pessoas da igreja de Filipos que maus relacionamentos promovem dissabores, entristecimento e desanimo na caminhada. Entre estes relacionamentos conflituosos, Paulo cita nominalmente Evódia e Sintique que deveriam pensar em concordância, parar com os conflitos. Cita também o caso de Epafrodito. Rapaz que fora enviado para ajudar a Paulo e que adoeceu mortalmente. Isso gerou conflito na igreja. Os que desejavam te-lo enviado e os que que não.
Relações conflitantes muitas vezes são os ladrões da nossa alegria. Um ambiente onde impera a hostilidade, um ambiente onde o desconforto de pessoas que se opõem e que lutam para prevalecer, nunca será um ambiente de alegria e harmonia.
Isso vale para o trabalho, para o lar, para o dia a adia. Cuidados com os seus relacionamentos. Eles podem minar sua alegria. “Andarão dois juntos se não houver entre eles acordo?” diz Eclesiastes. Muitas vezes, o motivo maior da formação de algumas igrejas não é a evangelização. Tem sido a divisão. A situação de oposição e conflito entre pessoas. Relacionamentos difíceis e tumultuados.
Paulo diz: “fazei tudo sem murmuração e contendas” (2.14). O combustível de muito relacionamento é inflamável: murmuração e contenda. Nenhuma destas coisas é proveniente do Espírito de Deus. Israel murmurou no deserto contra Deus e Moisés. Paulo diz aos Gálatas que as “inimizades, contendas, dissenções, facções, discórdias”... não são provenientes do Espírito Santo> São obras carnais que militam contra o mover de Deus.
A caminhada da vida cristã precisa ser comunitária: “Oh quão bom e agradável que os irmãos vivam em comunhão” (Salmo 133.1). Somos chamados a vivermos na família da fé, em meio a um povo de propriedade de Deus. Povo, família... elementos coletivos. A fé cristã precisa ter sua alegria abastecida na relação de amor, amizade, parceria de uns com os outros.
Cuide de seus relacionamentos para que em Cristo eles não sejam ladrões da alegria, mas fontes de bênçãos!


Carlos Jr