Serie: A ALEGRIA DO SENHOR

Série: A alegria do Senhor é a nossa força (Filipenses)

Texto 1: Filipenses 1.1-30

Paulo escreve esta carta aos irmãos da cidade de Filipos e um dos temas centrais da mesma é a alegria cristã. Ele usa mais de 15 vezes expressões como alegria, jubilo, contentamento, regozijo para caracterizar este seu propósito na vida daqueles irmãos que para ele, Paulo, eram especiais: “Pois minha testemunha é Deus, da saudade que sinto de vós” (1.8).

Todavia, a pergunta que se faz diante da carta é: porque haveria necessidade de se escrever um texto sobre a alegria? “Alegrai-vos sempre no Senhor, outra vez vos digo: alegrai-vos” (4.4). Porque razão esta exortação?

A Palavra de Deus diz que a “alegria do Senhor é a nossa força” (Neemias 8.10). Um cristão desprovido de alegria tem muito a perder. Perde sua força, seu vigor, sua energia, sua vitalidade. E não são poucas as situações que tentam roubar do coração daqueles que servem a Deus a alegria.
Paulo escreve este texto da prisão (1.12-30). Sua detenção trouxe ao coração daqueles irmãos achegados a Paulo um sentimento de abatimento e derrota. A alegria estava sendo drenada da alma deles. Para tanto Paulo os exorta dizendo “alegrai-vos sempre no Senhor”.

Nesta série inicial do ano, trabalharemos esta questão – abastecendo o coração de alegria para servir sempre ao Senhor.

1.O LADRÃO DA ALEGRIA: CIRCUNSTÂNCIAS
Neste capítulo primeiro, Paulo faz menção de um circunstância adversa em sua vida: sua prisão. Ele estava preso devido seu compromisso com Cristo. Tal situação de opressão circunstancial gerou no coração dos crentes de filipos um abatimento imenso. Na versão A Mensagem lemos: ”Amigos, quero relatar a vocês que a minha prisão teve o efeito contrário ao pretendido...”(1.12). O pretendido era abater, desanimar, prostrar, entristecer...

Muitas vezes as situações difíceis pelas quais passamos em um determinado momento das nossas vidas concorrem para trazer esta realidade de desanimo e abatimento. Não são poucas as pessoas que em meio a dureza da vida, em face a circunstâncias não esperadas de adversidades, perdem o animo, perdem o entusiasmo de servirem a Deus.

Servimos a Deus pelas circunstâncias favoráveis? Servimos a Deus somente quando as coisas nos são positivas e agradáveis? Isso me faz lembrar a indagação de Satanás no livro de Jó. Satanás questionava a Deus as reais motivações do compromisso de Jó. Tira tudo dele e verás que Jó não te serve por nada.

Isto me faz lembrar dos três jovens judeus ameaçados no reino da Babilônia diante da fornalha de fogo. Eles intimidados pelas circunstâncias adversas respondem: “Fica sabendo, ó rei. Se o nosso Deus a quem servimos quiser nos livrar, ele nos livrará das tuas mãos e da fornalha ardente. Se não (quiser nos livrar), fica sabendo ó rei que não serviremos aos teus deuses...” (Daniel 3.16-18)
O ano começou hoje. Boas coisas nos esperam em meio a esta jornada. Mas dias adversos também. E Eclesiastes diz que serão muitos. Nestes dias de circuntancias adversas, não perca sua alegria, não se deixe abater em meio aos terríveis temporais... é preciso lembrar:
a. Deus não é pego de surpresa. Nada acontece sem que o Eterno tenha o controle. Deus tudo sabe e tudo vê. Somos tomados de assombro por situações inusitadas... Deus não. Deus sabe de tudo em nossas vidas, Nem um fio de cabelo cai de nossa cabeça sem o consentimento do Eterno. Sossega seu coração.

b. Deus transforma a situação. O que era em um primeiro momento uma aberração, um desastre, uma situação terrível, Deus em seu imenso poder pode transformar em bem. Esse foi o testemunho de José, filho de Jacó, no Egito aos seus irmãos: O mal que intentaste contra mim, Deus o tornou em bem. “As minhas cadeias em Cristo se tornaram conhecidas de toda guarda pretoriana” (1.13)

c. Deus há de completar a obra iniciada. Nem sempre entendemos o momento. Nem sempre conseguimos discernir a tempestade na caminhada. Mas uma coisa é preciso afirmar: la na frente, ao olharmos para trás saberemos os porquês. “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós, há de completa-la ate o dia de Cristo Jesus” (1.6)


Não deixe o diabo roubar tua alegria. Não deixe que ele semeie através das circunstâncias adversas o desanimo, a prostração, a tristeza, a chateação. Tristeza não é obra de Deus. A alegria é fruto do Espírito. Por isso, diante do ladrão da alegria chamado circunstancia adversa, declare: “A alegria do Senhor é a nossa força... Alegrai-vos sempre no Senhor”!

Carlos Jr