SÉRIE: NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA... - Parte 3

3- PEDRA QUE DERRUBA UM GIGANTE

“Davi meteu a mão no alforje, e tomou dali uma pedra, e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa; a pedra encravou-se-lhe na testa, e ele caiu com o rosto em terra. Assim prevaleceu Davi contra o filisteu, com uma funda e uma pedra...” (1 Samuel 17.49-50).

No meio do caminho de Davi, no riacho pelo qual ele passou tinha uma pedra. Aliás, duas, três... cinco: “Tomou o seu cajado na mão, e escolheu para si cinco pedras lisas do ribeiro...” (1 Sm 17.40). 

A situação na qual Davi se encontrava era de grande aperto. Quando Davi visitava o acampamento de Israel para levar queijos ao comandante da guerra, ele se depara com um gigante filisteu de nome Golias, poderoso em guerra... afrontando o exercito e o Deus de Israel.

Davi se propõe a lutar. Davi se dispõe a morrer pelo Senhor. Era preferível isso, a aceitar tamanha afronta. Ele é equipado com a melhor das armaduras: a do Rei Saul. Nem conseguiu se mexer. Ele então, desveste-se daquele incômodo e com suas roupas de pastor, uma funda e algumas pedras do riacho ele parte para o confronto.

Pedras que foram para Davi os recursos da caminhada para derrubar os gigantes que se levantam em oposição. O tamanho era desproporcional, a experiência também. As armas eram absurdamente diferentes... mas Davi vai com fé, com coragem, portando nas mãos os recursos que Deus lhe concedeu... Deus poderia ter lhe concedido outros recursos, mas muitas vezes não conseguimos ver nas pedras do caminho, os recursos eficazes que Deus nos abençoou... e com a habilidade que ele a vida toda exerceu, ele faz das pedras os instrumentos da vitória do Eterno em toda aquela situação.

Muitas vezes desejamos grandes instrumentos para derrubar gigantes, para fazer oposição as enormes barreiras na nossa caminhada. Não é preciso mais do que uma pedra... isso mesmo! Uma pedra que Jacó dormiu, uma pedra que Samuel erigiu para agradecer... uma pedra que fez a empáfia e a soberba gigantesca do filisteu cair de cara no chão.

Não é a pedra em si... nem a mira de Davi. Mas o Deus que faz com que as coisas atinjam o local certo, precisamente. Deus não erra: nem nos recursos que nos disponibiliza, nem na eficácia dos mesmos ante a missão. Moisés quando chamado por Deus em êxodo, por quatro vezes tentou se esquivar da responsabilidade. Não tenho capacidade, não tenho mensagem, não tenho autoridade, tenho uma grande debilidade. Nas mãos ele tinha uma vara... que tornara-se em serpente... é o que temos nas mãos que Deus usa.

O que você tem em mãos? Qual é o teu instrumento diário de combate? Em face as grandes oposições, não aceite recursos que te engessarão, que te farão presa fácil... use as armas que você está acostumado e os recursos que Deus te disponibiliza... mesmo que seja uma pedra.




Carlos Jr