VIVER NA DINÂMICA DO ESPÍRITO

Texto Bíblico: João 3.8: “O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem e nem para onde vai. Assim é todo aquele que é nascido do Espírito”.





Introdução:
A vida é imprevisível e isso para muita gente é um grande problema! Isso porque gostamos de ter as coisas e a vida – tudo sob controle!

Crescemos em uma sociedade que nos educa para termos o controle de tudo. Desde o controle remoto da TV, até a Medicina – que a todo tempo busca prever e remediar males – absolutamente tudo nos impulsiona a ter todas as situações em nossas mãos.

Passamos diante deste quadro a viver uma falsa sensação de poder – onde temos o controle das coisas: temos o controle da família, dos negócios, das finanças, da saúde...

Todavia, essa falsa sensação de controle é facilmente desfeita... basta uma das áreas manifestar uma espécie de ruptura para com o script estabelecido e a vida se torna um caos e a pessoa surta: ansiedade, angústia... o sujeito perde o sono, perde o apetite, perde o humor, perde a alegria.... tudo porque percebeu que perdeu o controle de algo. Na verdade, a pessoa nunca teve o controle de nada... mas perceber isso traz uma insegurança e uma condição desconfortável...

Narração:
O que isso tem a ver com o texto de Jesus e Nicodemus?
Nicodemus era um homem importante naquela região. Ele era membro do Sinédrio. Naqueles dias, a notícia sobre Jesus se esparramava eufórica: seus feitos, milagres e seus ensinos... Ouvir tais coisas incomodou o coração de Nicodemus que desejava conhecer, conversar com Jesus.

Mas, isso para ele tinha um grande problema. O que os judeus pensariam a seu respeito ? Encontrando-se com Jesus ? Ele precisava manter sua reputação, afinal não era para qualquer um o ser membro do Sinédrio Judeu. Por isso ele escolhe encontrar-se com Jesus à noite!

Dessa conversa, Jesus diz a Nicodemus: “Se você deseja entrar nos céus, você tem que nascer de novo”. E ai Nicodemus pirou: Como vou voltar para o ventre de minha mãe sendo velho ? Nicodemus não tinha entendido nada!

Jesus lhe diz: Estou falando de outro nascimento. Se você não nascer da água e do Espírito, não poderá ver o Reino de Deus. Jesus ensina isso para Nicodemus para nos mostrar um princípio que pode contrariar muitas coisas que nós aprendemos ao longo da vida.

Jesus ensina para Nicodemus que a vida espiritual é mais profunda, mais distinta de qualquer outra categoria conhecida por ele. Jesus ensina a Nicodemus que ser cidadão do reino eterno significa viver acima de tudo, na dinâmica do Espírito. Nascer de novo não diz respeito a sua filiação religiosa, sua placa de igreja, seu gueto espiritual. Nascer de novo não diz respeito a cargos que você ocupa, sua ocupação ou função. Nascer de novo diz respeito a uma dinâmica do Espírito que não pode ser subproduzida por nada neste mundo. Não pode ser imitada, falsificada...

Mas viver esta dinâmica do Espírito significa que temos que perder por absoluto o controle da nossa vida. Deus nos chama a uma dinâmica de existência tão profunda que não temos qualquer possibilidade de controlarmos nossa vida! E perder o controle de nossa vida implica em algumas questões:

1.     Nessa conversa de Jesus com Nicodemus, o Senhor ensina que para perdermos o controle de nossa vida, nós precisamos nos entregar a uma vontade que é superior.

Nós precisamos viver e experimentar uma vontade que não é a nossa, nem é terreal – mas é superior a qualquer outra categoria... Quando esta vontade de Deus passa a gerir, a governar nossa vida, nós percebemos que não temos qualquer controle das coisas. E isso muda tudo. Muda  a maneira como encaramos a vida, os recursos, as pessoas, as adversidades...

Jesus no verso 8 fala sobre este fenômeno da natureza que é o vento: “O vento sopra onde quer...”  Veja bem o que Jesus está dizendo: “O vento sopra onde quer!” Este onde quer traz a idéia de uma vontade que transcende a de quem quer que seja. O vento sopra onde ele quer!

Mas o que é mais interessante aqui, é que no grego, a palavra vento pode ser traduzida por Espírito. Assim, pneuma pode tanto ser vento como o vento ser o Espírito. Então, a percepção é que já não é simplesmente o vento – mas o Espírito que sopra onde quer! Esse é o princípio que Jesus passa a Nicodemus: Nascer no Reino significa não ser dono de suas vontades, mas viver para satisfazer a vontade do Espírito de Deus!

O Espírito não se deixa marionetar pelo MEGA/SUPER/ULTRA/POWER encontro de uma religião que marca dia e hora para ele se manifestar! O povo agenda, divulga, marca, reinvindica... mas o Espírito sopra, queridos... onde Ele quer! Onde Ele quer! CUIDADO COM OS MANIPULADORES DE DEUS!

Preste atenção: Este querer tem a ver com a vontade. Nós valorizamos nossas vontades. Muito do que realizamos tem a ver com a concretização de nossas vontades. Alguns dos nossos esforços são relevantes... outros são questionáveis porque procedem de um coração que é enganoso... porque vem da nossa incapacidade humana de decidirmos o que de fato é bom... o que é o bem!

Ninguém opta voluntariamente pelo que é mau. Todo mundo, em sã consciência, busca o que é bom... aquilo que é do bem! Mas o que é o bem ? Sabemos de fato, o que é bom?

O que Jesus está dizendo a Nicodemus é que: Nós, entregues às nossas próprias vontades, corremos o risco de sofrer conseqüências desastrosas, terríveis. No afã de buscarmos o bem, podemos muito facilmente optar pelo mau irremediável.

Por isso, não confie em sua vontade!
Nossas vontades devem passar pelo crivo da Palavra de Deus. A minha vontade tem de se submeter àquilo que é a boa, perfeita e agradável vontade de Deus. Isso Paulo fala em Romanos, num contexto de novo nascimento, novo homem, nova mente...

Mente transformada... coração transformado... vontades transformadas... só ai eu saberei o que de fato é bom, perfeito e agradável – só ai eu saberei o que é vontade de Deus.

Nós somos uma sociedade hedonista! Vivemos em torno do prazer, para a satisfação das nossas vontades.
Nós somos uma geração narcisista! As pessoas só se preocupam com a imagem. Imagem é tudo... sede não é nada! A imagem, o prazer passam a determinar nossos valores, nossas vontades, nossos apetites... e tais coisas sempre se revelam doentias...

Jesus está dizendo pra Nicodemus que ser cidadão do Reino de Deus é mais que ser um mero religioso. Nicodemus o era. Jesus está falando de novo nascimento. E a analogia, e a metáfora do vento é apenas uma maneira de Jesus dizer a este religioso sobre a obra e a vontade superior do Espírito de Deus em nós!

Preste atenção nisso:
Na maioria das vezes, entende-se o Espírito Santo na perspectiva de poder. Poder sobrenatural. Força, energia... quase nunca se percebe o Espírito Santo na perspectiva de pessoa.

Não é uma energia impessoal que habita em mim. Não é uma força e nem tampouco um poder... o Espírito Santo é uma pessoa. É a segunda pessoa da trindade. É uma pessoa que habita em mim... e pessoa tem a ver com sentimento, com relacionamento, com vontades e volições...

Por isso, viver na dinâmica do Espírito nos ensina que perdemos o controle sobre nós, sobre tudo na experiência de uma vontade superior, a vontade do Espírito de Deus que habita em nós! E isso só pode acontecer a partir de algo novo... de ser gerado por Deus. Não há como experimentar, nem vivenciar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus sem que antes este ser do Espírito seja gerado em nós!

Ser gerado uma nova criatura significa que:
- nossa história não conta
- nosso conhecimento é insuficiente
- nossas conquistas anteriores são irrelevantes
- nossas vitórias anteriores não podem fazer nada por nós....

O que Jesus estava dizendo pra Nicodemus é que não se trata de uma de-mão na nossa vida, uma concertada aqui ou acolá.... ao se trata de uma melhora em nosso caráter... ou uma mudança de comportamento... se trata de uma nova criatura, de começar de novo do zero... se trata de uma nova vida com uma nova mente... uma nova vontade – a de Deus! Jesus na cruz se entregou a vontade do Pai...

2.     Precisamos nos libertar da previsibilidade. Gostamos de ter a certeza das coisas.

O que Jesus está dizendo a Nicodemus é isto: você precisa deixar de lado esta previsibilidade das coisas na vida. Não conseguimos lidar com o imprevisível... Jesus diz que “o vento sopra aonde quer, você o escuta, mas você não sabe de onde é que ele vem e nem para onde ele vai”... Você não tem o controle, você não consegue prever...

Qual é o grande problema do ser humano? O problema do ser humano é  que nós queremos viver com a segurança de que nós sabemos o que irá acontecer... E Jesus está falando de algo que pode mudar a qualquer momento! Algo que o homem não controla... é imprevisível como o vento. Jesus está dizendo que assim é a graça de Deus através da ação do Espírito... você pode ouvir a voz, você pode sentir sua força... mas você não sabe bem o que está acontecendo... não sabe de onde vem esta alegria, esta graça de ser nova criatura... e nem tampouco... onde isso pode te levar!

O que eu acho tremendo é que Jesus toca num ponto do qual nós temos muito medo. Nós temos medo daquilo que foge do nosso controle. Daquilo que nós não sabemos de onde vem e para onde vai.... Ninguém entra em nenhum negócio sem antes saber os pros, os contras, de onde vem, para onde vai... e chamamos a isso de prudência. Eu sei o que é prudência e o que é falta de fé!

O chamado de Abraão é um chamado contra a previsibilidade. Sai de onde você está. Sai da terra dos teus pais. Sai daí onde você tudo conhece e vai para um lugar desconhecido, um lugar que você nunca passou... vai para a terra que eu te mostrarei. Não havia mapa, não havia GPS, não havia um destino de percurso... absolutamente nada. Havia apenas uma ordem. Abraão não tinha o controle de nada naquela caminhada... qualquer um diria que ele estava louco!

O que Jesus está dizendo a Nicodemus é isso: o homem nascido de novo, o homem nascido do Espírito é como o vento... esse homem não está preso a nada, não está preso a ninguém, ele não tem raízes que o prendem a uma geografia, a uma contextualidade regional... o homem de Deus é movido pela voz de Deus... e só a ela ele obedece... ele não sabe onde isso vai levá-lo... mas ele vai atrás dela!
Nos EUA há incidência de ciclones e tornados que arrastam casas, destroem prédios, despedaçam fazendas.... e tudo começou com um simples vento... Um vento que no início ninguém atentou... mas que foi ganhando força e se tornou algo que ninguém pode domesticar, conduzir ou subjugar....

Assim é na nossa vida! Temos medo da imprevisibilidade, temos medo do desconhecido... temos medo daquilo que não está programado...

não estou falando da fé como um pulo no escuro – como afirmava soren kierkegaard. Nada disso. Eu estou falando que a nossa garantia não está na previsibilidade, a nossa garantia na vida não está no controle que temos das coisas... nossa garantia está sim - na graça de Deus!

Jesus empeliu seus discípulos  em João 6 - para dentro de um barquinho... e ordenou após o milagre dos pães e peixes, que atravessassem para o outro lado... ele todavia não segue junto a comitiva. Eles acabaram de ver um grande milagre. Eles entram no barco e o imprevisível aconteceu. O vento muda e uma tempestade chega... eles lutam, eles lutam, eles lutam por quase 11 horas... e nada! Jesus chega andando e acalma tudo. O que Jesus estava ensinando pra eles é que a garantia das coisas na vida, não é outra coisa, senão a graça de Deus. Os ventos podem mudar na jornada... as tempestades podem nos apanhar, podem jogar nossa nau de um lado para o outro... mas o que nos sustenta em meio a toda esta realidade... é a graça de Deus... somente a graça... maravilhosa graça!

A grande questão da previsibilidade é a eliminação do risco. Há um lado bom... mas há o outro que passamos a confiar e a depender das coisas que podemos prever, mas do que na graça do Deus eterno!

Antes quando os filhos saíam e demoravam para chegar em casa, os pais e ajoelhavam e oravam para que Deus os guardasse onde quer que estivessem. Hoje a tecnologia faz com que você ligue para o celular dele, ou mesmo monitore pelos aplicativos – onde ele de fato está! A tranqüilidade não vem da graça e do cuidado de Deus, mas da falsa segurança que nossos subterfúgios produzem.... o problema é quando está fora de área....rsrsrs


3.     O Espírito não aceita mordaças e algemas. Precisamos ser guiados pelo Espírito e não por intermediários dele.

Quando Deus falou a Josué após a morte de Moisés, o Senhor lhe disse que o guiaria por um caminho pelo qual ele jamais tinha passado. Estas palavras do AT são música no NT. O que Jesus está dizendo para Nicodemus é que ele escolheu a hora, ele escolheu o caminho, ele escolheu por onde passaria... mas que aqueles que nascem de Deus, são guiados pelo Espírito de Deus.

E nem sempre os caminhos do Espírito de Deus são os melhores aos nossos olhos. Nem sempre os caminhos que Deus nos conduz são os mais curtos para os fins que desejamos. Israel sai da terra do Egito, Deus leva seu povo por um caminho mais longo, posto que era o mais seguro!

Quando temos tudo sob controle, fique certo disso – não estamos sendo guiados pelo Espirito de Deus. Estamos sendo guiados por toda a previsibilidade  das coisas que nos dão tranqüilidade e satisfação.

Os caminhos do Espírito nem sempre são afáveis. As vezes nestes caminhos temos adversidades, lutas, tentações. Jesus foi batizado, e no instante seguinte o Espírito de Deus leva Jesus ao deserto para ser tentado, para enfrentar feras, para passar por tentações.... Mas os anjos do Eterno o serviam, mesmo diante das feras!

Quando somos guiados por nós mesmos, somos conduzidos pela carne. Paulo diz que a carne e o Espírito são opostos entre si. O pendor da carne é inimizade contra Deus. As obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, contendas, divisões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e muito mais coisas semelhantes a estas... das quais já vos preveni: não entrarão no reino de Deus os que tais coisas praticam” (Gl 5.19-21).

Somente uma pessoa guiada pelo Espírito pode viver de maneira diferente desta realidade comum a todos nós. Não há como fugir de qualquer destas realidades pelo esforço humano... Apenas pela direção, pelo guiar do Espírito de Deus!

Paulo encerra esta seção aos Gálatas dizendo algo extraordinário: “Irmãos, se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito”.  O caminho do Espírito passa pela santidade, pela unidade da fé, pela cooperação em amor, pelo compromisso com o Reino...

Conclusão;
Nicodemus queria saber mais sobre Jesus. Tinha ouvido sobre seus feitos, seus ensinos... Jesus lhe mostra muito mais. A necessidade de nascer de novo. Para se viver no reino de Deus o controle não pode ser nosso, o controle de tudo o que somos e de tudo o que temos é do Espírito Santo. Assim temos a percepção mais profunda do que é sermos mordomos de Deus... Perdemos o controle de tudo, sendo sustentados pela graça de Deus, conduzidos pelo Espírito Santo para uma obra que não é nossa também
Que Deus nos abençoe!!

 Pr. Carlos Jr